Unidade na Diversidade.
Hoje escrevo sobre a habilidade de fazer diferente nos relacionamentos ao identificar o que é recorrente no comportamento.
Cada um de nós estamos vivendo em lealdade aos nossos antepassados e por uma vontade inerente a alma repetimos o que para o nosso clã é considerado uma honra. Para nós esse movimento é inconsciente. Mas o que acontece?
Quando nos relacionamos, seja qual for o tipo de relacionamento, entramos no espaço de alguém.
Cada um tem suas necessidades, e muitas vezes não olhamos as nossas necessidades e nem as do outro porque há algo maior que veio antes e que pode ser a necessidade de muitos. Por isso em alguns casos achamos que houve muita cobrança, muito julgamento, excessos de todo o tipo sem que pudéssemos entender a razão ou mesmo solucionar isso.
Obviamente que alguém se ressentiu.
Reflita sobre alguém que você tenha convivido e que marcou para você. Foi intenso e mexeu profundamente com as suas dores. Ou você cobrou demais dentro da relação. Você deu pouco, tomou muito ou vice versa. Houve essa desarmonia. Não precisamos carregar a bagagem dos relacionamentos anteriores, mas também não podemos ser indiferentes. Podemos olhar com amor para cada caso e sabermos que muitas coisas aconteceram de maneira inconsciente e foi como foi. Agradeça sempre pois o futuro tende a ser o reflexo do passado.
É também sugerido que observe qual é o comportamento repetitivo que você tem em alguma relação atual. E se isso tem ou não funcionado para você.
Acesse seus antepassados e diga que agradece por tudo e que em honra a eles você escolhe fazer diferente daqui para frente.
Sentimentos distorcidos, obsessivos e compulsivos são formatados para nos retirar da consciência. Assim vivemos amando cegamente.
Reconhecer o gatilho e olhar com o amor que você é pode restabelecer um elo com a harmonia dando à você e ao outro a liberação de um outro elo que poderia estar se reproduzindo no presente, numa relação atual.
Somos amor e olhar para o que veio antes, também para a sua criança é o antídoto para prosseguir.
Qual é o reflexo disso?
Se algo em mim é curado, liberado, estou liberando isso no meu sistema familiar. E quem vier depois ficará liberado de ter que honrar isso também.
Olhar desse amor que você é abre horizontes.
Que possamos acender esse farol que ilumina todos os cantos de nosso sistema para navegar em águas tranquilas ao lado de muitos irmãos nessa vida, recebendo com alegria as bênçãos de nossos ancestrais!
Com afeto, Kátia Erbiste
Bom dia à todos!