Aprendemos com as dificuldades. Imagine só. Você fica de que tamanho diante das dificuldades? Ao mesmo tempo existe uma força interior que se levanta e olha para essa dificuldade, se você se permitir não se encurtar diante dela e suportar, concordar e agir com dignidade.
Eis uma dinâmica que se aplica a todos nós.
No épico Bhagavad Gita, Arjuna conversando com o primo Krishna se mostra antes da batalha começar, derrotado diante de um exército oponente cheio de conhecidos e parentes, enquanto que em seu exército havia também muitos amigos e parentes. Houve muito conflito interno sobre como agir diante disso, onde não havia mais nenhum meio de recuar. Ali ele ficou diante de todos os seus conflitos, chorou muito, viu suas projeções, as diversas formas de controle que não mais faziam sentido manterem-se erguidas. Ali o véu estava sendo removido com a sabedoria do primo Krishna, e ele escolheu parar de fugir e enfrentar as suas dores, se erguendo e olhando de frente para tudo como estava se apresentando.
Nossas emoções nós carregamos nas costas se assim desejarmos, ninguém estará segurando para você. As projeções, imagens que criamos das pessoas aliadas as emoções são como véus. Se tudo está em constante movimento, qual é o valor de parar no ponto de vista e cravar uma estaca no próprio coração?
Quando olhamos de frente e paramos de tornar as impressões tão reais, deixaremos de fugir, de fraquejar, levantaremos e olharemos o exército oponente. Avançaremos para lidar com tudo o que esteve escondido, mascarado.
Krishna disse a Arjuna: “Levante e Lute!”
Erga a sua coluna em meditação e utilize a espada do saber para ceivar(curar) de sua ignorância. *O que é ignorado , aumenta de tamanho. O que é excluído volta denovo e denovo…
Essa luta é um símbolo de dignidade, onde deixamos de ter que agradar as nossas próprias imagens distorcidas das pessoas e situações ,e por maior que seja esse engano, é uma oportunidade de despertar. Aqui é o amor que vê. Sem distorções.
Por isso as dificuldades são como verdadeiros mestres até que nenhum oponente precise estar do outro lado esperando um acerto com você.
Deixemos de viver com óculos coloridos.
Encarar de frente a quem nos trouxe desafios é ser adulto e não mais crianças esperando a proteção da mãe e do pai.
Levantar e lutar é um gesto nobre e maduro diante da vida.
Mais uma vez reforço que lutar não é contra a vida, não é usar a violência, tem outro fundamento, é uma batalha a favor da vida, a favor da verdade, a alegoria da batalha serve de ensinamento para que ultrapassemos os medos que foram trazidos e implantados ao longo da vida.
Que distorceram imagens dos avós para os pais, dos pais para o filho e demais gerações.
Por isso mostra amigos e parentes do outro lado.
Excluir e fugir é infantil. Encarar e suportar , olhar e curar é o meio adulto.
Observe nesse vídeo a dor dos dois, as projeções dos dois , e o que ambos fizeram com o que aconteceu.
Observe um menino e um adulto.
E o que o amor que vê é capaz de movimentar.

Abraços
Kátia Erbiste ❤️