Hoje escrevo sobre uma outra habilidade. Da outra vez escrevi aqui sobre Kshanti. Dessa vez escrevo sobre a habilidade de tomar e dar numa relação.
Observe o movimento que acontece quando você se aproxima de alguém com apreço e oferece algum carinho, um presente, a pessoa pode tomar o seu carinho ou não, depois ela se afasta, daí percebe que deve lhe recompensar, e volta, se aproxima e lhe oferece alguma coisa, (isso pode ser na hora ou pode levar uns dias ou semanas,) e assim quem recebe pode tomar, que é um ato respeitoso e sem intromissão alguma sobre a intenção de quem deu. Quem toma não faz julgamento sobre o que recebeu. Esta pessoa toma, se afasta e depois doa. Esse movimento de dar e tomar continua em equilíbrio se não houve controle por excesso de dar com base em algum “querer”.
Na maioria das vezes o que acontece quando um só lado dá muito e não percebe a sua atitude, é que o outro se afasta e se chateia porque não teve espaço para voltar e dar. O sufoco se deu pelo excesso de dar do outro. O outro que deu, deu,deu não reparou o movimento e isso criou o afastamento.
Dar e tomar é um movimento natural da vida, as pessoas precisam vir e ir , requer um tempo. Pais muito protetores afastam, parceir@s muito agarrados afastam, excessos de amor condicionado também afasta.
Esse ponto “excesso de amor” está ligado a falta de tomar, pois mesmo que tenha dado pouco, algo não foi tomado por ele ou ela na infância.
A rejeição é uma das dores mais comuns na sociedade. Muitos sofreram alguma rejeição.
Eu dou, eu tomo, ou eu só “quero” “receber”,não tomo, por isso dou, dou , dou ,dou porque no fundo só quero retorno desse meu carinho. Então quem está fechado para que o outro dê em retribuição? Quem quer receber.
Esse querer receber afasta o outro e assim acontece a interrupção do movimento natural de dar e tomar.
Como reflexo desse movimento, alguém nessa relação ficou menor e precisa sair para respirar, pois esteve sufocad@ e sem energia.
Isso acontece na relação pessoal, entre colegas de trabalho e em sua escolha de tomar e se doar à vida também.
Faça uma reflexão sobre as formas de dar e tomar, ou se em alguns casos esteve querendo tanto, que a necessidade criou tanta expectativa que afastou o objetivo?
Projetamos, enxergamos naquele recebedor alguém por detrás. Quem seria?
Quem estaria atrás desse ser?
O pai ou a mãe com um presente chamado vida nas mãos para verdadeiramente tomares?
Note que tudo tem fundamentação aí. Dessa forma seu dar e tomar poderão estar em equilíbrio.
Gratidão ❤️
Katia Erbiste